quarta-feira, 18 de julho de 2012

Inconsolável


"Vão-se os anéis, ficam os dedos."


Não sei como escrever esse post sem parecer uma pessoa demasiadamente materialista. Será?
Não consigo me abrir com ninguém pois a maioria acha banal e facilmente superável o que vem acontecendo comigo nos últimos anos.
Não consigo pensar no assunto sem me achar uma tola e descuidada, que agora amarga pelo próprio erro.
Não consigo desabafar sobre o assunto sem chorar rios de lágrimas.
Estou inconsolável.
Inconformada.

O que será de nós nessa era digital? Como guardar nossas memórias, nossa história, como conservar as lembranças e mantê-las seguras?

Lembro sempre das palavras da minha mãe quando dizia que as únicas coisas que salvaria num caso de incêndio em casa eram os filhos e as fotos, o resto que incendiasse tudo.

A probabilidade de uma casa pegar fogo é infinitamente menor do que ser assaltada. E que ladrão entraria em nossa casa, antigamente, para roubar nossas fotografias, nosso álbuns e retratos nas paredes? Nenhum, isso só tem valor para a família.

Hoje em dia guardamos nossas fotos em computadores, HD's e laptops, e esses sim, têm valor.

Até 2007 eu tenho fotos reveladas, organizadas em álbuns, ordenadas... tudo certinho. Desde então passei a não revelar mais nenhuma, por falta de tempo, por excesso de fotos para escolher, pela dificuldade de enviar os arquivos, enfim, por preguiça. MAS, mantenho cópia das fotos em CD's, em álbuns virtuais na internet (claro que em qualidade inferior aos arquivos originais), e procurava manter cópia em vários HD's diferentes. Aliás, ainda faço isso.

Em casa eu costumava ter 5 HD's diferentes, todos com cópias das fotos. No computador principal, no computador da Carolina, no meu laptop, no laptop da Camila, num HD externo do computador principal e ainda num HD de bolso que sempre anda comigo.

Achava que estava segura, se por acaso eu derrubasse um HD teria cópia das fotos em outros lugares. Mas como nem sempre temos tempo de salvar tudo em todos os lugares, somente um ou dois HD's estavam sempre atualizados.

Eis que em janeiro de 2010 arrombaram minha casa e levaram TODOS os equipamentos de informática e câmeras fotográficas que tínhamos. O único laptop que sobrou tinha pouquíssimas fotos salvas. Mas, por uma obra de Deus (vou acreditar que tenha sido), o meu HD de bolso e o mais atualizado, foi "esquecido" no meio das roupas da Carolina, únicas que não foram roubadas, ou seja, eu tinha em mãos a minha vida, minhas fotos, todas elas.

MAS, perdi os vídeos, eles estavam todos no HD do computador principal, e no HD externo, ambos foram levados. Dos backups que eu tinha em DVD consegui recuperar até 2006, mas havia perdido definitivamente os vídeos de 2007 e 2008. Os de 2009 estavam no HD de bolso.

Nunca me conformei com isso, volta e meia eu me pegava lembrando dos momentos que não poderia recordar daqueles anos. Bola pra frente, as fotos estavam salvas e novos vídeos seriam feitos dali para frente.

Em fevereiro de 2011 roubaram meu celular e com ele foram-se fotos e vídeos.

Em fevereiro desse ano a Carolina formatou o cartão de memória da máquina digital, perdi vídeos e fotos importantíssimas, conforme já contei num post anterior AQUI.

Em junho iniciei um trabalho de backup dos meus arquivos, em mídias de DVD, que não são seguras também, podem não abrir mais depois de anos guardadas, mas, pelo menos isso ladrão não leva embora. Durante um final de semana consegui fazer backup de quase todos os anos de fotografia, e iria começar os backups dos vídeos na semana seguinte. Já tinha organizado, seriam necessários 15 DVD's para salvar todos de 2009 até 2012.

Eis que uma fatalidade (burrice, distração, desleixo) aconteceu. Derrubei meu HD externo com 1500 gigas de dados, e nele TODOS os vídeos salvos, ali, e somente ali, pois depois do roubo não recuperei os equipamentos de informática que eu tinha, o espaço estava meio apertado para guardar tudo, e enfim... aconteceu.

No momento estávamos as três em casa, era uma sexta-feira à noite, e eu chorava tão desesperadamente que todas choravam juntas, Carolina que adorava assistir aos vídeos era uma tristeza só. Parecia realmente que alguém tinha morrido, tamanho desespero em que fiquei.

A queda foi de 1 metro de altura, no sábado ainda tentei comprar uma gaveta (carcaça) nova pra ver se dava jeito... e nada. Mandei pra uma empresa especializada aqui em Curitiba, já na semana seguinte, orçamento de R$2.380,00 para recuperar os dados. Não deram jeito aqui então eu teria que enviar para a matriz da empresa no Canadá, frete de R$580,00 não reembolsável. Paguei. Foi. E ontem recebi a lista de dados possíveis de recuperar. Nessa lista apenas os vídeos de 2004, 2005 e 2006, justamente os únicos que tenho backup. O restante, de 2009, 2010, 2011 e 2012... perdidos e sem possibilidade de recuperação.

Mais lágrimas... e mais reflexão... como vou guardar esse material de forma segura? Devo voltar a usar fitas de VHS? Fotografar com filmes de 36 poses e guardar os negativos? Afinal que evolução e tecnologia é essa que não nos deixar seguros de nenhum jeito? Será o fim das nossas memórias?

Não sei o que pensar, é uma merda atrás da outra. E aí é que me sinto materialista, enxergo pessoas apontando o dedo pra mim e dizendo "meu filho aqui com câncer e ela chorando por causa de uns vídeos", ou então "minha filha morta numa acidente e ela chorando por causa de uns vídeos".

Pra quem me conhece e sabe o tanto de relíquia que guardo do passado deve imaginar a dor que estou sentindo, a tristeza em não ter mais os registros da Carolina cantando para mim no Dia das Mães na escola, isso porque eu não costumava fotografar, e sim filmar. Não tenho mais registros dos nossos natais em família... é Dona Lira, foi-se. As danças juninas, a galera cantando Parabéns em nossos aniversários, nossos vídeos de férias na praia, cantando juntas, falando besteiras, todos os shows que fomos nesses anos, e foram MUITOS, não sobrou nada.... e se sobrou foi muito pouco. A serenata dos 7 anos da Carolina, foi-se. As apresentações de Judô também, perdidas. Tantos e tantos momentos cotidianos que nem lembro, mas que adoraria relembrar num futuro próximo, e que agora, infelizmente, nunca mais será possível.

Foram-se os anéis... e uns 3 dedos.





2 comentários:

  1. Oi amore!
    E o clouding computing?
    O Google tem uns planos muito bons p/ armazenamento nas nuvens. Bem seguro.
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Ai Ilana isso é muito triste mesmo, aconteceu açgo parecido comigo, o dvd do parto da Gi tinha apenas uma cópia e a empregada deixou cair da estante e quebrou, gastei uma grana pra tentar recuperar tb e nada, não tenho mais o registro do parto e isso me corroe até hoje.
    Eu morro de medo de perder minhas fotos que só gravo em cd, deveria existir um album virtual bem grande para podermos guardar com segurança pra sempre né?
    Eu tenho trauma com perda de fotos, pq. quando meus pais se separaram meu pai queimou todas as nossas fotos, não tenho uma sequer, pra compensar eu tiro foto das crianças direto, revelo quase todas, mas é muito espaço, é pesado nun caso de incêndio eu nem teria como carregar rs.
    Sinto muito mesmo!
    bjo

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...